Nas Bancas

Decoração: Mérito sueco

A 'designer' escandinava aposta em valores seguros, como forma e funcionalidade, sem esquecer a importância das tradições artesanais.

CARAS Decoração
18 de março de 2016, 14:00

Nina Jobs fundou a sua empresa de design em 1998, depois de completar o mestrado em Design de Produto na École Nationale Supérieure des Arts Décoratifs, em Paris. Trabalha com projetos multidisciplinares, na área do design de produto e mobiliário e direção de arte, para empresas como Ikea, Uniqlo, MoMa de Nova Iorque, Askul Japan, Gärsnäs, Abstracta, Ericsson e Design House Stockholm, entre outras. Tem feito a curadoria de exposições de Design e Arquitetura suecos na Ásia e EUA. O seu trabalho conta com vários prémios.
O que a inspira a criar?
O trabalho em si! Gosto do desafio que é trabalhar, sem fronteiras, com diferentes culturas. O design de moda e a dança contemporânea também são inspiradoras. Em especial a moda, relacionada com tendências e detalhes.
Onde trabalha nos seus projetos?
Depende de onde estou. Viajo muito, mas trabalho principalmente em Estocolmo, quando estou no estúdio. Porque, quando se constrói um protótipo, passa-se muitas horas na fábrica!
Qual é o seu melhor produto, a sua peça favorita?
Felizmente, todas! Não avalio os meus trabalhos e tento dar sempre o meu melhor em cada projeto. O cabide Loop é uma peça especial devido à sua complexidade técnica e ao design. É praticamente uma 'vitrina' para a empresa de mobiliário Gärsnäs e para mim!
O que prefere: criar produtos ou interiores?
Gosto de trabalhar com sentimentos, diferentes humores e colocar sempre o meu produto num contexto visual. Por isso, escolho as duas áreas, tanto produtos como interiores!
Tem algum mentor?
Tenho uma pessoa importante que me acompanhou e apoiou o meu trabalho!
Qual o produto da história do design que gostaria de ter assinado?
Sou grande admiradora do trabalho de [Charles e Ray] Eames, Charlotte Perriand, Nanna Ditzel... Qualquer uma das peças criadas por eles!
Como imagina os interiores de uma casa daqui a 100 anos?
Creio que a casa não será muito diferente do que é agora, apenas terá mais soluções técnicas inteligentes.
Quais os seus locais de eleição em casa?
A cozinha. Cheira sempre bem e é, na maioria das vezes, o espaço mais quente e aconchegante da casa.
Decoração, e design, que futuro?
Em ambos os casos, tem tudo a ver com aspetos culturais. Na Suécia, valorizamos o design funcional. Ainda somos conduzidos pelo mantra "forma e função", importante para a produção em massa e para a indústria.
Se pudesse, o que mudaria na cena internacional do design?
Menos escolas de design. Não entendo como é que todos os jovens designers con­seguem sobreviver!
Pode revelar-nos os seus próximos projetos...
Estão previstos vários lançamentos: um assento para a Nola, novos vasos de plantas para uma outra empresa sueca, um projeto de design social para a Design House Stockholm (fundada em 1992 por Anders Färdig) e produtos em tecido feitos manualmente por tribos no norte da Tailândia, com as quais tenho trabalha­do..., peças para uma marca japonesa, entre outras novidades.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras