Nas Bancas

Decoração: Sentido versus função

O trabalho da designer francesa explora princípios, como a modularidade, partindo da reflexão sobre a vida quotidiana.

CARAS Decoração
16 de agosto de 2015, 17:00

Matali Crasset nasceu em 1965, em Châlons-en-Champagne, e passou a infância numa pequena aldeia no norte de França. É designer industrial por formação (pela ENSCI – Les Ateliers: École Nationale Supérieure de Création Industrielle). Move-se num universo eclético, do artesanato à música eletrónica, da cenografia ao mobiliário e do design gráfico à arquitetura de interiores.
O que a inspira a criar?
O que me inspira é a vida. Em vez de objetos que 'fazem sentido', prefiro rein­ventar, e complementar, a sua função, concentrar-me no que dão e não no que são. Isso permite-me desenvolver conceitos modulares de fluidez, mudança, dispositivos não permanentes para melhor qualificar o espaço e fazer propostas fora de códigos já existentes, mas também reafirmar os valores de partilha e hospitalidade que são as bases do meu trabalho. Os projetos devem estar em sintonia com a vida! E é esta complexidade do processo criativo que torna todo o trabalho emocionante, exigindo grande rigor intelectual.
Tem algum mentor?
Mentor não é a palavra. No campo do design, tenho grande consideração pelo Bruno Munari, designer de engenharia que abriu muitas portas..., e por Oscar Niemeyer, pela plasticidade e sensualidade que deu à arquitetura em cimento. Mas nomes como John Dewey, Freinet, Georges Perec, Gaston Bachelard, Foucault, Jane Adams e muitos outros fazem parte daquilo a que chamo a minha base...
Prefere produtos ou interiores?
Estou ligada aos dois. A maioria dos projetos nos quais estou a trabalhar atualmente ressalta a dimensão do trabalho coletivo e colaborativo. Estou a lembrar-me de projetos recentes como a La Maison des Petits – Centquatre – 104, em Paris, as casas Les Maisons Sylvestres em Fresnes-au-Mont ou o (eco-lodge) Dar Hi, na Tunísia. Existe uma dimensão local crescente que me interessa bastante. Vendo bem, a contemporaneidade não é apanágio exclusivo do mundo urbano! É claro que também desenho objetos, mas os objetos não são nem o centro nem a finalidade do processo de criação. São uma atualização possível de outras áreas (arquitetura, cenografia, exposição...) num determinado momento e enquanto parte de um sistema de pensamento mais vasto.
Qual o seu melhor projeto?
Trabalhar para a longevidade de um projeto e acompanhá-lo dá-me uma enorme satisfação. Lugares como a La Maison des Petits – Centquatre – 104, que recebe mais de 30 mil pessoas por ano, com grande qualidade, é o trabalho que provavelmente me faz mais sentido destacar.
Que trabalhos tem em carteira?
Acabo de terminar a renovação da biblioteca municipal da cidade de Ge­nebra e em setembro será inaugurada a École Le Blé en Herbe (situada na pequena vila de Trébédan, Côtes d'Armor, em França), projeto realizado no âmbito do programa Novos Patronos da Fondation de France. Com o centro de arte rural Vent des Forêts, para o qual desenvolvi as casas Les Maison Sylvestres, criei um conjunto de objetos feitos com os artesãos locais de Meuse, desde carpinteiros a tecelões... Este trabalho será apresentado também no mês de setembro como parte da exposição coletiva, intitulada Into the Woods, para a galeria Granville. Vou realizar igualmente uma expo­sição em Bruxelas para uma fun­dação privada. Será uma instalação que questiona a nossa relação com os nossos antepassados, um espaço para nos reconciliarmos com a nossa trama ancestral, uma viagem à nossa genealogia e humanidade. Para a primavera de 2016 está prevista uma cenografia para o Philharmonic Hall em Paris sobre o tema Velvet Underground. Além disso, tenho um projeto de espaço para um museu na Coreia do Sul. E continuarei a colaborar com editoras como a Campeggi, Danese Milano, Nodus, Ikea, entre outras.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras