Nas Bancas

Decoração: Repensar o 'design'

A designer alemã, de 27 anos, explora a resistência dos materiais, as aplicações têxteis e um design que tanto é minimal como ornamental.

CARAS Decoração
10 de janeiro de 2015, 17:00

Meike Harde nasceu em 1987 na Alemanha e estudou Design de Produto na HBK Saar.
Em 2013 estagiou no Studio Benjamin Hubert, em Londres, e em 2013 abriu o seu próprio estúdio, com sede em Saarbrücken. Tem exposto os seus trabalhos em diversas galerias e museus e marcado presença em certames como o London Design Festival ou o Paris Design Week, entre outros. Foi considerada "Newcomer Nominee 2014" pelo German Design Council.
O que a fez escolher a área do design?
Sempre soube que me interessaria por um trabalho criativo. Tornar-me designer de produto foi a melhor escolha que poderia ter feito. O processo é emocionante, principalmente quando acontece alguma coisa por acaso, inesperada, mas com grande qualidade.
O que a inspira a criar?
Tudo pode ser inspirador. Não é uma questão de 'o quê' mas 'quando'! Há alturas em que estou mais aberta à inspiração e alguns momentos em que não estou. Também sou inspirada pelo próprio material – o meu ponto de partida. Este diz-me como usá-lo. Tento fazê-lo de forma sensata. A construção de mobiliário tem de ser adaptada ao material. Muitas vezes é ele que permite a função.
Onde trabalha os seus projetos?
No meu estúdio em Saarbrücken, no sudoeste da Alemanha.
Como define as suas criações?
O meu trabalho pode ser descrito como luz e suavidade, por vezes ornamental, com função inteligente ou construção incluídas, muitas vezes à base de tecido, feminino.
Qual é a sua melhor criação?
As coleções Zieharsofika e London.
Os seus produtos combinam design e sustentabilidade. Em que consiste a força desta aliança?
Todas as pessoas serão obrigadas a reciclar. O problema é que a maior parte do material de boa qualidade e resistência é deitado fora. A minha linha de iluminação Lichtschlucker questiona isso. Mostra uma solução. Mas basicamente é sobre como evitar o desperdício, utilizando embalagens biodegradáveis e compostáveis. Além disso, anseio por materiais de melhor qualidade. A resistência é um fator ecológico importante. Materiais clássicos são ecofriendly. Caso da madei­ra de uma floresta sustentável ou do algodão.
Por falar em iluminação, como vê o sector, agora e no futuro?
A iluminação irá mudar através de invenções nesta área. Consigo imagi­nar conceitos de bio-lumineszenz (bioluminescência), a luz natural. A indústria está a trabalhar lado a lado com biólogos para desenvolver produtos biónicos.
O artesanato precisa de ser mais valorizado?
Sem dúvida. As pessoas desejam objetos mais artesanais, mais pessoais, mais originais, após uma década de produção em massa e produtos de bai­xa qualidade. E isso será bom também para o meio ambiente.
Como imagina o interior de uma casa daqui a 100 anos?
Terá mais peças artesanais e será mais high-tech, o que é basicamente uma contradição.
Se pudesse, mudaria alguma coisa no panorama do design?
Menos cópias. Infelizmente, o design está cheio de remakes e adaptações feitas por designers e apresentadas como se fossem algo novo. Outra coisa que mudaria: os contratos entre os designers e a indústria. Torná-los-ia mais justos, com menos risco e mais royalties. 

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras