Nas Bancas

Decoração: Estilo versátil

Christian Werner, designer industrial alemão de grande sucesso, não se limita ao desenho de mobiliário, surpreendendo a cada novo projeto e em áreas bem distintas.

CARAS Decoração
3 de outubro de 2014, 14:00

Christian Werner nasceu em 1959, em Berlim. Formou-se em Design Industrial e trabalha para marcas como Ligne Roset, Rolf Benz, Duravit, De Sede, Thonet, entre outras. Surpreendeu o mundo da moda através da conceção de Zoe, um sapato plataforma (de 15cm), e recentemente aventurou-se na área do design de interiores, arrecadando inúmeros prémios.
O que o inspira a criar?
Sonhar acordado, observar e ter uma atitude brincalhona, porém respeitadora perante todos os hábitos e todas as coisas já existentes, porque sempre foram assim.
Qual foi a razão que o levou a escolher a profissão de designer?
Tive conhecimento da existência da profissão aos 14 anos. A combinação de criatividade e técnica fascinou-me – e fascina-me até hoje.
Como descreveria a sua maneira de trabalhar?
Nem sempre é muito analítica. É mais intuitiva. Costumo desenhar bastan­te, pensando com um lápis na mão e construindo modelos. O computador é uma boa ferramenta quando se trata de apresentações e da construção. Ou seja, não faz parte nem entra no meu processo criativo.
Como é feita a escolha dos materiais para os projetos?
Normalmente, a escolha é orientada para aquilo que os clientes estão mais vocacionados.
Qual a importância da cor no design de um produto?
Depende do projeto. A nível de design de estofos, não tanto, porque os fabricantes têm a sua gama de diferentes tecidos e peles. Para os móveis é muito importante ter a gama de cor e superfície certas na hora certa. Além disso, o mobiliário está submetido a determinadas tendências em termos mais longos do que a moda.
O que mais o excita e/ou aterroriza no seu dia-a-dia?
O momento mais emocionante é quan­do uma convincente e bonita nova ideia se forma. Depois de muita luta é simplesmente fantástico quando algo novo nasce. Terrível, por vezes, são os obstáculos no caminho para convencer alguns clientes a optar pela melhor solução.
Qual é a sua melhor criação?
O sofá Dono, para a Rolf Benz, que celebra o seu 10º aniversário, foi um grande êxito comercial. E a gama de mobiliário Everywhere, que fiz há cerca de 14 anos para a Ligne Roset, continua uma história de sucesso.
Há algum produto na história do design que gostaria de ter criado?
O tradicional radiador Aston Martin.
Quais são seus lugares de eleição em casa?
Adoro cozinhar, por isso a cozinha aberta é um lugar importante para mim. O meu novo sofá Prado, para Ligne Roset, colocado em frente à janela (do chão ao tecto) é atualmente o meu lugar favorito em casa.
Como imagina o interior de  uma casa daqui a 100 anos?
Tenho a ideia exata na minha gaveta, mas não vou partilhar.
Como vê o negócio do design, agora e no futuro?
O design é um importante fator económico. Ao produzir produtos bem pensados, ergonómicos, sustentáveis (economia de recursos) e, por último mas não menos considerável, estéticos, o design terá um lugar importante na indústria e na vida de todos nós também no futuro.
Se pudesse, mudava alguma coisa nesta área?
Obrigado, estou muito bem. Tenho a sorte de trabalhar para grandes marcas do sector.
Próximos projetos...
Não tenho tendências suicidas! Tudo a seu tempo (sorri).

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras