Nas Bancas

Decoração: 'Designer' de luz

A sucessora da Martinelli Luce desenha candeeiros de linhas contemporâneas para a marca de iluminação fundada pelo seu pai, Elio Martinelli, nos anos 50.

CARAS Decoração
5 de março de 2014, 18:30

Emiliana Martinelli nasceu em Lucca, Itália, em 1949. Formou-se em Cerâmica (no Lucca Istituto d'Arte) e, posteriormente, vem Design Industrial. É também licenciada em Arquitetura. Começou a sua carreira ao lado do pai, Elio Martinelli, na Martinelli Luce. Além de projetar interiores e o layout dos stands expositivos da empresa, supervisiona ainda o estúdio gráfico da marca, cuidando dos catálogos, da publicidade e, acima de tudo, do design e da produção de novos produtos de iluminação.
Seguiu a área da iluminação. Foi uma escolha inevitável?
Cresci vendo o meu pai a projetar e desenhar 'luz'. Ele fundou a empresa (Martinelli Luce) e para mim foi natural seguir os seus passos.
Onde trabalha os seus desenhos e projetos?
Apesar de ter um estúdio, a maioria das ideias nascem em casa, na rua, no carro, em qualquer lugar e são imediatamente corrigidas numa qualquer folha de papel e no meu notebook, que anda sempre comigo. O estúdio serve para aprofundar e iniciar o projeto!
O que a inspira a criar?
Quando projeto sou inspirada por tudo o que me rodeia. Mas a natureza e as formas geométricas inspiram-me de uma maneira especial!
Tem algum mentor?
O meu pai, em particular, mas também outros mestres, a começar por Sarfatti, Castiglioni e Magistretti transmitiram-me o sentido e valor da essencialidade.
Qual é o seu melhor produto, o maior hit?
A série Circular Pol, disponível em vários tamanhos, devido à simplicidade da forma e versa­tilidade de utilização, e o sistema LED Colibri.
Que ícone do design gostaria de ter desenhado?
O Arco (candeeiro de chão), de Castiglioni, porque emite uma luz de natureza suave, que vem "de cima", do alto, mas que não é uma suspensão.
Qual é o aspeto mais importante a considerar na hora de escolher a iluminação?
Um candeeiro deve ser selecionado sobretudo em função da sua localização e do tipo de luz pretendida, e se tem carácter/personalidade quando está ace­so ou desligado.  
Como escolhe a luz para a sua casa?
Uso, muitas vezes, os protótipos em minha casa para perceber a sua funcionalidade e testar 'no terreno' o candeeiro que pro­jetei para determinado uso. Mas não são apenas protótipos. Todas as outras luzes são produzidas pela minha empresa e escolhidas porque se adaptam aos ambientes. A única exceção são as criações de Noguchi, que aprecio de uma maneira especial, e que tenho em diferentes pontos da casa.
Quais são os seus lugares favoritos em casa?
São dois: o sofá de couro, confortável, colocado em frente à lareira, e a cozinha. Gosto de cozinhar e preparar pratos criativos, com os sabores de Lucca, para os amigos.
Como vê atualmente o sector da iluminação?
O mercado de iluminação é fortemente sazonal. Existem muitas empresas que surgiram ao longo dos anos, umas cessaram atividade, outras mudaram de dono. São momentos particularmente difíceis, especialmente para o mercado italiano caracterizado por uma forte redução na procura.
Se estivesse ao seu alcance, o que mudava  no atual panorama do design?
Que o design voltasse a ser verdadeiramente design. Há muitos objetos que são mais "obras de arte" do que produtos de design industrial.
Próximos projetos...
Reforçar a colaboração com jovens designers e a aposta na pene­tração da empresa no mercado externo.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras