Nas Bancas

Decoração: Design, verdadeiro ou falso?

A falta de cultura artística é aquilo que, na opinião de Nuno Ladeiro, leva as pessoas a optarem pela cópia.

CARAS Decoração
22 de fevereiro de 2014, 20:00

Os portugueses continuam a dar importância ao design?
Se considerarmos um segmento alto, onde temos um consumidor culto e com capacidade económica – uma cultura geral onde englobamos as artes – então temos um conhecimento muito mais aprofundado do que há uns anos. Isto acontece, em virtude da facilidade com que as pessoas acedem às marcas e aos próprios designers, através da Internet. Hoje, quando somos consultados por alguns desses clientes, eles já sabem qual o nome do criador, a marca e o tipo de produto que querem. 
Mas há mercado em Portugal?
Existe para esse segmento particular: um cliente de classe alta, com capacidade de aquisição e uma cultura geral que sabe entender e diferenciar este tipo de produto. Caso contrário, até pode encomendar uma casa a um arquiteto de renome, mas decorá-la com artigos sem qualquer carimbo. 
O que leva as pessoas a comprarem as imitações?
Por um lado, a falta de cultura, por outro, a propagação das imagens nos diferentes meios de comunicação. Alguns hotéis já apostam no design como forma diferenciadora, contudo outros continuam a comprar cópias. Ainda há pouco tempo José de Guimarães dizia, numa entrevista ao jornal Expresso, que o problema da arte em Portugal é estar a ser transacionada a valores baixos por pessoas sem cultura e que não valorizam aquilo que têm.
Como é que as lojas comercializam essas cópias?

A cópia e a sua propagação são o resultado não só daqueles que criam, como daqueles que as adquirem. E, se em alguns casos, essa imitação faz com que o artigo perca a mística da marca, haverá outros casos em que contribuirá para aumentar o seu prestígio. Quando olhamos para o negócio da roupa e para as marcas de contrafação que copiam outras griffes conhecidas, é fácil verificar que estamos perante uma cópia através, por exemplo, de uma costura mal feita. Mas a pessoa compra a cópia porque não chega ao original. Um cliente meu perdeu o negócio de uns sofás, da Minotti, para uma fábrica portuguesa que copiou os modelos e, inclusive, as etiquetas. Neste tipo de cópias, estamos a falar de oportunismo e não de algo inatingível.
Existe legislação?

Portugal tem uma boa legislação em termos de propriedade intelectual. No entanto, temos de conseguir provar que a cópia é, na realidade, um produto praticamente igual. Quando entram no nosso país contentores, vindos maioritariamente da China, temos hipótese de fazer uma denúncia e bloquear a mercadoria. A quem recorrer? À Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE).
É fácil ter noção dos acabamentos?

Os materiais, por norma, são todos idênticos. Existe um pequeno detalhe que faz a diferença e, muitas vezes, até prejudica do ponto de vista estético. O primeiro passo para ter a certeza de que é um original, será comprar a peça numa entidade que inspire confiança. Hoje em dia, o consumidor deve ser criterioso com a entidade que está a comercializar o produto. Em caso de dúvida, pode chamar um líder de opinião, um arquiteto ou um designer, para o ajudar a identificar a origem do artigo. Eu acredito que, por vezes, as pessoas que se dizem enganadas, sabem que estão perante uma cópia. Isto está na consciência de cada um.
Que conselho daria a um criador?

Antes de entregar a seu projeto a alguém, deve procurar entidades oficiais, mesmo na Internet, que divulguem a sua ideia. Essa publicação será uma prova de que ele é o detentor da propriedade intelectual, que está defendido e tem direitos. Desta forma, quando é submetido o registo da pessoa que se aproveitou da ideia, o queixoso pode contestar. É fundamental divulgar, é uma forma de se proteger.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras