Nas Bancas

31911792_582574595458481_4339714417068343296_n.jpg

DR

2018.05.15

Catarina Furtado responde a críticas relativas à sua participação na Eurovisão

"Nunca fui adepta de rótulos na minha carreira. Sou o que sou", escreve a apresentadora

Catarina Furtado é uma mulher que dispensa apresentações. Com uma carreira já longa ligada à televisão, assumiu este ano a condução do Festival Eurovisão da Canção, ao lado de nomes como Daniela Ruah, Filomena Cautela e Sílvia Alberto.

Apesar do sucesso do decorrer daquele certame musical, com sonoridades oriundas de vários países, surgiram críticas de fãs da Eurovisão que consideraram que Catarina Furtado não esteve à altura do desafio, lançando ataques à sua pronúncia do inglês, entre outros pontos. A apresentadora acabou por publicar esta à tarde uma "carta aberta" sobre o assunto onde demonstra, de várias formas, que não tem nada a temer no que diz respeito ao seu percurso profissional que a levou até aqui, deixando transparecer os seus vários interesses, bem como a forma como abraçou os vários desafios.

"Sou uma mulher de muitas facetas e sonhos. Nunca fui adepta de rótulos na minha carreira. Sou o que sou. Comecei a minha carreira como bailarina clássica e depois, contra todas as expectativas, fiz formação em jornalismo. Trabalhei para rádios, jornais e revistas. Fui desafiada a testar os meus 'dotes' enquanto apresentadora de televisão (e já lá vão 27 anos!). Fiz parte da equipa envolvida no lançamento do primeiro canal de televisão independente, SIC, e desde então nunca mais parei de trabalhar no meio. Mas sempre persegui os meus desejos: em 1995 mudei-me para Londres para estudar representação. Abracei a carreira de actriz, no teatro, em cinema, em séries de tv, em dobragens , na narração de espectáculos, (o mais recente filme vai estrear em Portugal a 26 de Julho, Linhas de Sangue)", escreveu.

No longo texto publicado nas redes sociais, onde se diz agradecida pela oportunidade que este ano teve, recordou ainda a sua ligação à música através da escrita de letras e o lado social com que tem vindo a encarar as causas a que se associa. "Em 2000 fui convidada para ser Embaixadora de Boa Vontade do UNFPA, a agência das Nações Unidas para os direitos e saúde reprodutiva. Esta importante missão fez-me desenvolver a minha vertente de documentarista com Príncipes do Nada, que vai na sua quarta temporada na RTP, e que retrata o nobre trabalho de voluntários e de ONG em países em desenvolvimento e, infelizmente, a intolerável situação que muitas mulheres e meninas vivem ainda hoje, tendo os seus direitos violados. Esta experiência que tenho vivido junto do UNFPA levou-me também, em 2012, a fundar a Corações com Coroa, que tem por objectivo promover uma cultura de solidariedade, não violência e não discriminação, de igualdade de oportunidades e de género e de inclusão social. No meu livro 'O que vejo e não Esqueço' partilho muitas destas vivências. Depois de tudo o que fiz até agora, ser vista por 200 milhões de pessoas na Eurovisão tornou-se uma experiência inesquecível para mim. Estou muito grata!", conclui.

CARAS

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras