Nas Bancas

2016.04.12

Maria João Bastos: “Estou numa dor inexplicável por palavras”

A atriz perdeu Amélie, a sua cadela chihuahua, no início deste mês e diz que esta foi tratada com negligência pelo Hospital Veterinário Vasco da Gama.

Maria João Bastos está a atravessar uma fase difícil. A sua cadela chihuahua, Amélie, de quem era inseparável, morreu no início deste mês, e a atriz explicou tudo na sua página de Facebook. “Hoje foi mais um dia triste. Despedi-me da minha Amélie, mais de uma semana depois de um imenso sofrimento.

Estou numa dor inexplicável por palavras, que aguardo que o tempo acalme, apesar de neste momento isso não me parecer possível.

A minha Amélie era tão alegre, tão cheia de vida, feliz e saudável. Adorava rodopiar sobre si própria logo pela manhã, como se estivesse a dançar, a celebrar a vida. Adorava que eu lhe dissesse que era linda: ‘quem é a mais linda do meu coração?’. E eu dizia-lhe tantas e tantas vezes.

No dia 1 de abril, deixei a minha princesa no Hospital Veterinário Vasco da Gama, na zona norte da Expo, para fazer uma destartarização, uma comum limpeza dos dentes. Antes de ser intervencionada, ela tinha feito análises na mesma clínica e foi-me dito pela veterinária que a Amélie estava óptima de saúde. Não era surpresa para mim, a Amélie era muito bem cuidada. Depois de a entregar à veterinária Susana Vítor, que fez a intervenção, saí descansada da clínica. O primeiro momento em que fiquei apreensiva foi quando adiaram das 17 para as 19 a hora de a ir buscar. A esta hora, quando me deram a Amélie, vi logo que ela estava em sofrimento, com dificuldade em respirar. Foi-me dito que era normal e que os sons aflitivos seriam devido a um tudo que lhe tinham enfiado pela garganta. Questionei se não deveria ficar em observação , foi-me dito que não era necessário! Achei estranho mas acreditei, não tinha razão para não acreditar, afinal ela é que era a veterinária.

Levei a Amélie para casa muito angustiada com o estado em que a via. Em casa, a aflição da Amélie em respirar continuava. Deitei-me ao seu lado a dar muitas festivas e beijinhos e a conversar com ela, dizendo que ia ficar tudo bem: ‘vai passar meu amor, agora custa um bocadinho mas vai passar’.

Passado duas horas e meia, a Amélie estava exactamente igual, o mesmo sofrimento e os mesmo sons (horríveis) a tentar respirar.

Aflita, liguei para o hospital e falei com a veterinária que a tinha tratado e voltei a repetir o estado de sofrimento da Amélie. Coloquei o telefone em alta voz para que a Dr.ª Susana Vítor pudesse ouvir. De novo me foi dito que era tudo normal e que eu não devia fazer nada. Insisti que era melhor verem de novo a Amélie no hospital mas a médica, sorrindo do outro lado da linha, disse que me acalmasse, que não era preciso levá-la ao Hospital, tudo era normal - naquela atura só queria aliviar o sofrimento dela que eu pensava ser das dores na garganta provocadas pelo tubo, nunca me passou pela cabeça que a Amélie estivesse a correr perigo de vida. Eu acreditei na veterinária, aceitei de boa-fé as indicações da médica. A sua descontração ao telefone era tanta que até pensei que era eu que estava a exagerar de tão zelosa que era com a minha menina.

A Amélie não dormiu um minuto sequer e o seu estado de sofrimento manteve-se sempre igual, desde que saiu da clínica. Com o avançar da madrugada e cada vez mais angustiada voltei a ligar para o hospital. Era já outro médico de serviço, descrevi tudo o que tinha antes descrito à Dr.ª Susana Vítor e pedi ajuda. Este veterinário disse-me para ir de imediato para o hospital. A minha Amélie percebia tudo, nesse momento, encostou-se a mim a pedir-me mimo, deu-me um último beijo, o único da noite, não por falta de vontade mas porque provavelmente as dores não lhe permitiam.

Eu abracei-a e prometi que tudo ia ficar bem, que íamos ao hospital e que ela ia ficar bem. Quando nos estávamos a preparar para sair, a Amélie foi beber um pouco de água e, de repente, em segundos, e sem que nada fizesse prever este desfecho, caiu para o lado no chão da cozinha, a deitar muito sangue pela boca. Entrei em pânico, agarrei nela e fui para o hospital. Já aqui, onde ainda entrou a respirar, o médico que me tinha atendido o telefone diz-me pouco depois que a tentou reanimar mas não conseguiu. Fiquei sem chão, meu mundo desabou, deixei de ver e de ouvir. Nas seis horas que se seguiram não sai da clínica a pedir para falar com alguém. Precisava de uma explicação. Pedi para falar com o director, disseram-me que estava a passar o fim de semana fora de Lisboa. Pedi para falar com a veterinária que lhe fez a intervenção, disseram-me que ela não trabalhava ao fim de semana.

E eu fiquei ali perdida, horas, sem saber o que fazer, sem chão...

Seis horas depois, já com a ajuda da minha família, decidi tirar a minha Amélie da clínica, onde senti que não nos estavam a tratar com dignidade. Tenho o coração partido e continuo sem saber o que aconteceu. Até hoje não recebi nenhum contacto, nem do administrador da clínica, Bruno Oliveira, nem da veterinária. Eu só queria perceber porque e como é que a minha Amélie entrou saudável para fazer uma limpeza aos dentes e acabou por morrer. Para mim, os animais são e devem ser tratados com respeito e dignidade. São, e a Amélie era, um membro da família.

A Amélie era a minha menina...E por ela e por todos os animais que por vezes são tratados de uma maneira menos digna espero fazer justiça.

Meu amor, vai em paz. Dá-me forças para viver sem o teu amor incondicional, sem te ter mais na minha vida.

Obrigada por me teres feito tão feliz.”, escreveu na rede social, onde já recebeu centenas de mensagens de apoio.

Maria João Bastos

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras