Nas Bancas

0.jpg

D.R.

2015.10.15

Júlio Isidro recorda o chefe Silva

O cozinheiro mais português de Portugal, gostava de mim como se eu fosse um sobrinho. Sabia que eu não desconfio como fazer um ovo mexido ou estrelado mas estragava-me com petiscos.

“QUERIDO CHEFE COM E. A cozinha está agora vazia. No ar, apenas o perfume de milhões de iguarias que o meu amigo António Silva confeccionou ao longo da sua vida.
De Termas de Caldelas para o mundo, foram muitos pratos lavados, alguns esturricados, outros acre-doces, porque a vida de quem vem de pobre e chega ao estatuto de homem realizado não foi fácil.
O cozinheiro mais português de Portugal, gostava de mim como se eu fosse um sobrinho. Sabia que eu não desconfio como fazer um ovo mexido ou estrelado mas estragava-me com petiscos.
Nunca deixou de dizer em entrevistas que nos 14 anos em que esteve afastado da televisão (?) enquanto o coziam em lume brando, foi meu convidado em todos os meus programas. Também na rádio lhe proporcionei uma rubrica semanal de culinária, para que o forno do seu talento não se apagasse.
Eu, o António Antonio Barra Martins, a Margarida Mercês de Mello, o Carlos Ribeiro e tantos convidados do meio artístico, comíamos uma vez por semana a Tele-Culinária do chefe!
Acabada a sessão fotográfica, sentávamo-nos à mesa do estúdio e lá íamos deglutindo entre boas piadas tudo o que o chefe tinha feito para figurar nas páginas da revista, um verdadeiro fenómeno de vendas.
Várias vezes por ano íamos a sua casa à Póvoa da Galega e aí quem mandava era querida Dona Graça. Foi das mãos dela que comi os melhores pastelinhos de bacalhau do mundo e saladas de fazer chorar. E os doces?
Também fui apresentador de alguns dos seus livros, o que temperou ainda mais a nossa amizade.
E agora querido António Silva, eu, o seu pior aluno, o seu fracasso como professor de cozinha, o seu amigo que lhe ouvia a voz já débil ao telefone " Olá Júlio...Só para saber como está? E as meninas?" estou orfão de chefe com E.
Juntou-se à Dona Graça que foi o seu braço direito, o seu amor, a mãe dos seus filhos. Já estou a ver os dois entre tachos panelas a confeccionarem um bacalhau espiritual entre outras coisas boas de comer porque um dia destes o banquete com os vossos amigos, vai ser um caso falado...no Céu.
Não se esqueça dos papos de anjo....”
, escreveu o apresentador Júlio Isidro na sua página de Facebook a recordar o chefe António Silva, que morreu esta quarta-feira, dia 14, aos 81 anos.

Júlio Isidro

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras