Nas Bancas

0.jpg

D.R.

2015.10.11

Júlio Isidro presta homenagem a Deolinda Rodrigues

SILÊNCIO - A CANTIGA DA RUA PARTIU

“SILÊNCIO - A CANTIGA DA RUA PARTIU
A minha única intérprete deixou-me. Deolinda Rodrigues que pegou no único fado que escrevi na minha vida e o cantou com a sensualidade que as palavras tinham dentro, saiu de cena. Recordo-a a cantar de olhos cerrados os versos que me saíram numa madrugada em minha casa com o João Henrique a escrever música à viola: - ‘Há lá coisa mais bonita/ do que ver Lisboa nua/ A dançar à minha frente/vestida com luz da lua.’
Falámos muitas vezes e confesso que sempre adorei o tom malicioso do seu olhar e as expressões marotas de saborosos segundos sentidos. A voz do meu único fado era linda e partiu linda. Encantou no filme ‘Cantiga da Rua’ e encheu palcos de revista com a sua voz e andar de mil desejos. A última vez que estive com a minha Deolinda foi numa tarde de convívio na casa do Artista onde juntos recordámos os êxitos de quantos ali vivem de memórias do passado.
Lembro-me de, quase ao ouvido, termos repetido uma parte do refrão do meu fado: ‘Lisboa não se deita a qualquer hora/Lisboa só se deita com quem quer/Lisboa sabe bem com quem namora/Lisboa é o bem de um malmequer’. Piscou-me o olho cúmplice, ela a senhora dona da minha solitária incursão fadista. Ao lado, sorria um pouco ausente, a querida Argentina Santos.
Calou-se a Cantiga da Rua no mesmo dia em que Celeste Rodriges cantava, celebrando os seus 70 anos de carreira.
Para cada uma, o seu fado”
, escreveu Júlio Isidro na sua página oficial do Facebook, recordando a atriz e fadista Deolinda Rodrigues, que morreu este sábado, 10 de outubro, aos 90 anos.

Júlio Isidro

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras