Nas Bancas

2012-04-26-marta-gautier.jpg

2014.12.17

Marta Gautier dedica texto à prima, Margarida

"Por mim, decidi, deixo-te ir. Com a maior serenidade que conseguir. Com balões atrás de ti. Brancos, azuis, verdes, para ires rebentando até lá."

Marta Gautier publicou hoje na sua página de Facebook um texto de homenagem à sua prima, Margarida Gautier, que morreu ontem.
"Atiravas o cabelo para trás, dizias 'agora não', 'isso nunca', 'achas??', ' é ESPETACULAR', dizias loucuras, coisas que ninguém diz, fazias rir com isso, rias, dizias tudo o que te vinha à cabeça, daquelas que eu critico, as que 'dizem tudo na cara', arranjavas confusão, discussões, brigas, tinhas medo, gritavas, gozavas, torcias-me os dedos pra trás quando eles ainda eram pequenos, dançavas, dançavas mesmo quando te achavas gorda. Adoravas fazer amor, contavas isso aos 4 ventos junto com todos os pormenores, 'foi espetacular quando ele fez assim', dizias 'não gosto de crianças. Irritam-me.', e alguns olhos em volta brilhavam pois nunca o confessariam e tu tinha-lo feito por eles. Eras os 2 lados, o bom e o mau na sua forma virgem. Eras o que todos somos, mas de forma crua, verde, 'estou aqui e sou assim.' Tão inteira que até assustava. Ninguém pode ser tão inteiro, tentávamos avisar-te. Mas foste. Foste feliz como um pássaro e infeliz como um cão pode ser. E hoje decidiste, inteira, que já chegava. E lá foste tu, desvairada, 'pauuuu', decidida, de top, para o céu ou lá o que é, dizeres o que tens a dizer e acabou-se!
Minha prima Margarida, do lado de pai e de mãe, como irmãs, que brigam, se descabelam, mas se sentem uma à outra a toda a hora. Já lavámos, ambas, o chão imundo da casa uma da outra em fases más. As retretes, as panelas secas de dias e dias. Chegávamos lá e 'toca a levantar minha menina, nada de dramas.' Esfregámos a casa uma da outra. Haverá coisa mais bonita? Foste ver-me no outro dia, quando eu falava a sério. No fim, esperaste-me e num tom pausado, pouco teu, disseste 'ah... toda a gente sofre...' E eu que pensei que soubesses... Linda, doida. Levas penas do meu coração. Ofereço-tas para as coçares no nariz de alguém que lá encontres, e rires com o cabelo atirado para atrás. Tu deixas-me, a partir de hoje, a convicção ainda mais convicta de que tenho de ser o que sou. 
Dou agora, neste momento, voltas e voltas na cama. Serei capaz de conciliar o sono? Quererei conciliá-lo? Tenho mesmo de o conciliar? Talvez comece por aqui. Por parar de querer que tudo seja como deveria ser. 
Por mim, decidi, deixo-te ir. Com a maior serenidade que conseguir. Com balões atrás de ti. Brancos, azuis, verdes, para ires rebentando até lá. Ou talvez os fotografes. Ou talvez mos atires à cara."
Marta Gautier

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras